QUEM NÃO TEM A FORÇA DOS ARGUMENTOS, USA DA MENTIRA PARA ENCOBRIR A SUA INCOMPETÊNCIA.


Diante da repercussão da nossa campanha para adiar a Micareta, sinto-me na obrigação de tecer mais algumas considerações a respeito da importância de adiá-la .

Como é do conhecimento de todos é o mosquito Aedes Aegypti, o transmissor do dengue, na realidade é a fêmea do mosquito, denominada de vetor ou transmissor. A partir daí todo investimento preventivo é voltado para a eliminação do mosquito.

Aí, surge uma grande dificuldade: o ovo do mosquito pode sobreviver até dois anos e, em contato com a água parada eclode (ou nasce) depois de 4 a 12 dias a depender da temperatura ambiente. Quanto mais quente for mais precocemente nasce um mosquito.

As autoridades sanitárias deveriam dar a mesma atenção que dão ao mosquito, que é o vetor, ao homem contaminado, que é o hospedeiro.

Portanto, é o homem contaminado (hospedeiro) que contamina o mosquito, que por sua vez, passa a contaminar (vetor) o homem não contaminado. Ou seja: a fêmea do mosquito não nasce contaminada, ela contamina-se ao sugar o homem (hospedeiro) com o vírus do dengue.

O que deverim fazer as autoridades sanitárias? Dar mais atenção às pessoas contaminadas. De que maneira? Orientando a estas pessoas e fazendo uma efetiva erradicação do mosquito dentro das suas casas e dos seus vizinhos.

O mosquito em questão tem capacidade de deslocamento de até 800 metros. Antes, acreditava-se que era em torno de 100 a 200 metros. Por ser um inseto caseiro, o seu raio de ação pode atingir de uma a três residências com facilidade.

O deslocamento do homem contaminado é quase impossível de ser controlado, daí a importância de elaborar medidas que diminuam esses deslocamentos.

A realização do carnaval em Salvador e outras grandes cidades proporcionaram o deslocamento de pessoas contaminadas que passaram a ser fonte de contaminação de fêmeas do mosquito, que resultou no agravamento de novas epidemias em todo o Brasil.

Se houvesse um maior controle e orientação para que essas pessoas contaminadas não fossem fontes de contaminação do mosquito, teríamos uma população de mosquitos não contaminantes em menor número. Conseqüentemente, diminuiria o número de novas pessoas contaminadas.

A nossa preocupação não é só com o aumento dos casos de dengue mas, também, com o aumento de outras viroses e doenças bacterianas pós micareta, numa cidade com poucos leitos de UTI e déficit hospitalar, onde os profissionais da saúde trabalham sobrecarregados.

Daí a nossa idéia de realizar essa festa numa época fora das chuvas e sem uma epidemia tão grave como a que estamos vivendo, com o agravante de ser antecedida por um feriado prolongado, semana santa, onde o fluxo de pessoas contaminadas é muito grande.

Justificar a realização dessa festa no curso de uma epidemia de dengue e outras viroses com hospitais superlotados, se não beira à irresponsabilidade, personifica a mentira e a ante ética, típica dos incompetentes.
.
Eduardo Leite
eduardoleite@gastroajuda.com.br
QUEM NÃO TEM A FORÇA DOS ARGUMENTOS, USA DA MENTIRA PARA ENCOBRIR A SUA INCOMPETÊNCIA. QUEM NÃO TEM A FORÇA DOS ARGUMENTOS, USA DA MENTIRA PARA ENCOBRIR A SUA INCOMPETÊNCIA. Reviewed by Eduardo Leite on 1:42 AM Rating: 5

6 comentários:

José Rogério disse...

Raciocínio e argumentação perfeita Dr. Eduardo,parabéns, acrescento a possibilidade de se ter mais gente contaminada, também tem maior variação de subtipos o que pode gerar uma doença mais grave. Entendo a preocupação da responsabilidade do investimento feito na micareta, mas vou repetir, quanto vale o preço de uma vida?

Argemiro Garcia disse...

Caro Dr. Eduardo,

Acaba de me ocorrer uma idéia relativamente simples, que pode ajudar a diminuir essa epidemia. Veja se concorda com meu reciocínio.

Penso que os governos poderiam distribuir repelentes de mosquitos para as pessoas contaminadas. Sempre pensamos em usar repelentes nas pessoas sadias, mas evitar que as pessoas contaminadas sejam picada é até mais importante!

Que tal?

Eduardo Leite disse...

Sr. Argemiro, excelente idéia. Estou preparando para o Ministério da Saúde , uma documeto com considerações referentes à importância dos cuidos e controle aos indivíduos contaminaos pelo virus do dengue. A sua idéia é excelente,parabéns. Como seria : todo indivíduo com dengue, além de orientado e ter sua risidência monitorada com armadilhas para a fêmea e erradicação também , teria gratuitamente o fornecimento do repelente suficiente para 15 dias. Fico agradecido por essa sua excelente colaboração. Faço questão de referendar sua idéia no nosso projeto e, para isso,
solicito que me envie seus dados para o e-mail: eduardoleite@gastroajuda.com.br. Um forte abraço e mais uma vez, muito obrigado.

BLOG DO FRANÇA disse...

Caro Eduardo,
estou entrando nesta, finalmente estou montando o meu blog - www.resenhadofranca.blogspot.com - e, apartir de agora vamos "agitar" esta sociedade. Aguardo seu contato, abraço, Rafael França.
P.S. Uma andorinha só, não faz verão !! Chegou a hora de convocarmos todos e começar um movimento ativo da sociedade civil, afim de tentarmos mudar isto que temos aí !! Abraço..

Anynha Silva disse...

Dr. Eduardo primeiro parabéns pela sua preocupação, pena que nem todos se preocupem assim...
mas o motivo maior alem de parabeniza-lo pelo blog e desejar sucesso!!!
é dizer que o blog da feira esta no ar:
www.blogdafeira.com.br
e agora tem comunidade no orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=61030090
quem quizer pode participar...
um abraço!!!

Luis disse...

Dr.Eduardo,o senhor poderia sugerir ao presidente LULA,ao invés dele distribuir,lubrificante ,deveria distribuir repelente

Tecnologia do Blogger.