DIFICULDADES NA ADERÊNCIA AO TRATAMENTO MÉDICO.








A dificuldade da aderência ao tratamento médico é um grave problema de saúde a ser analisado devido a sua importância social e macroeconômica, não só na saúde pública como também na saúde privada.



As dificuldades à aderência ao tratamento médico são maiores nos casos de doenças crônicas como hipertensão arterial, diabetes, obesidade, gastrites, hipotiroidismo, dependência a drogas e doenças mentais, dentre outras.

Estima-se que no Brasil 26% da população seja hipertensa e destes, 50 % sabem que são hipertensos. Dos 50% dos hipertensos que se submetem ao tratamento, 25% têm a doença sobre controle e, 25% fazem o tratamento, mas não têm a doença sob controle.

Só com estes dados sobre Hipertensão Arterial podemos avaliar o grave problema de saúde pública e privada com repercussão macroeconômica, em relação ao tratamento médico das doenças crônicas em especial.

A dificuldade na aderência ao tratamento das doenças crônicas e não crônicas depende de múltiplos fatores: custo do tratamento, efeitos colaterais, desinformação, diversidade de condutas médicas e principalmente uma má abordagem médica onde não é valorizada a parte existencial-emocional e sócio cultural dos pacientes portadores destas doenças.

O Ministério da Saúde, como grande gestor, deve cobrar dos Estados e Municípios dados estatísticos sobre as doenças crônicas de cada cidade e, para isso campanhas com Agentes de Saúde devem ser efetivadas.

Outro fator importante é a padronização de condutas e tratamento em relação a estas doenças e treinamento constante dos profissionais que fazem partes destas equipes.

A nível de saúde pública um acompanhamento direcionado e padronizado aos pacientes crônicos além de resultar em melhor controle destas doenças, diminuirá muito os altos custos com internações nos hospitais públicos e privados conveniados ao sistema SUS, resultando em serviços de emergência sem sobrecarga de atendimento.

Na parte privada, notadamente, por parte das seguradoras de saúde, o custo do tratamento medicamentoso deve ser custeado pelas respectivas seguradoras.

Com esta medida, todos saem ganhando, pois, o custo hospitalar cada vez mais caro, tenderá a diminuir, é fato que um paciente crônico ou não, com tratamento adequado, necessitará cada vez menos de tratamento hospitalar, estas, as mais significativas despesas das seguradas ditas de saúde, seguidas do custo de marketing.

Eduardo Leite
eduardoleite@gastroajuda.com.br
www.gastroajuda.com.br
DIFICULDADES NA ADERÊNCIA AO TRATAMENTO MÉDICO. DIFICULDADES NA ADERÊNCIA AO TRATAMENTO MÉDICO. Reviewed by Eduardo Leite on 3/08/2007 10:15:00 PM Rating: 5

3 comentários:

Simplesmente Outono disse...

Ter amigos por perto nesta data tornará meu dia completo.
Folhas secas de um Outono feliz da vida.

Anônimo disse...

Saiba mais sobre a luta da Professora Iara para melhorar a escola em que ela trabalha, visite www.educadornecssario.blog.terra.com.br

Simplesmente Outono disse...

Pessoas como você além de fazer falta fazem toda e total diferença.
Obrigada e por favor não lhe permito mais sumir.
Tenho novidade: estou cursando Biologia, espero contar com sua ajuda caso precise já que o coneteúdo é bem próximo ao de Medicina.

Tecnologia do Blogger.